22/02/2011

Melancia - Marian Keys



Você gosta de ler? Se sim, ótimo, é sinal que nós temos coisas em comum. Se não, que tal tentar conhecer um pouquinho mais a fundo o mundo dos livros?

Um bom começo é ir pelos Best-Sellers ou com um gênero que se identifique. Foi com o objetivo de incentivar quem quer que fosse a adquirir o hábito da leitura que eu decidi começar essa nova tag no blog. Sempre que eu terminar de ler algum livro bacana, ou lembrar um que já li e gostei posto aqui algum tipo de resenha e indicação pra vocês. Já havia feito algo do tipo antes, mas não com frenquência. Espero que o objetivo seja alcançado dessa vez e que vocês se divirtam, afinal não tem nada mais gostoso que viajar sem ter que sair do lugar, tem?

O livro da vez é Melancia da autora Marian Keys. Aposto que você já, pelo menos, ouviu falar dele.  Afinal, o livro está na lista dos mais vendidos da Inglaterra o que fez com que a autora tenha vendido os direitos de publicação por um preço bem salgado para outros países como Alemanha e Estados Unidos. É um livro bem feminista que mostra os sentimentos e devaneios de uma mulher na faixa dos 30, abandona, grilada e um tanto quanto despretensiosa.

A história se passa em sua maioria na Irlanda e fala sobre Claire, uma mulher que acabara de ser chutada pelo marido porque segundo ele, conhecera outra pessoa. Isso ainda na maternidade assim que ela dera a luz a seu bebê. Depois desse episódio, tudo que lhe resta é voltar para a casa de seus pais em Dublin para tentar se acalmar e entender a situação. Descrevendo assim, até parece que é um livro de drama, né? Mas muito pelo contrário. De maneira bem descontraída e irônica Claire conta os acontecimentos de sua vida com um humor bem peculiar.

Enfrentar o fim de seu casamento, ser mãe solteira e de primeira viagem, já que James (seu marido) não dera as caras após a notícia bombástica, lidar com sua família de lunáticos e ainda com seu corpo gordo e verde de pós-gravidez como o de uma melancia não vai ser tarefa fácil para uma pessoa sempre tão expansiva como ela. Mas quando tudo parece dar errado, Claire conhece alguém que fará com que ela veja a si mesma de maneira diferente. Uma história meio água-com-açúcar e previsível, porém envolvente e cativante. E com um desfecho que nos leva ao velho ditado: o que não mata, fortalece.