30/11/2010

Primavera


Como se supera um grande amor? Sinceramente, depois daquele inverno, nada parecia ter mais uma resposta concreta. Mas depois de muitas caixas de lenços de papel, acabei descobrindo um novo mundo. O meu mundo. Eu sabia que não era tão simples assim, mas comer brigadeiro de panela era uma experiência tão mais doce, levando em conta o trocadilho. As flores pareciam cantar pra mim, não era mais tão doloroso sorrir. Aprendi que não gostava tanto assim de pipoca, que andar de bicicleta sozinha podia ser libertador, que, por incrível que pareça, eu era uma ótima pintora. Aprendi a me descobrir, aprendi a achar um tempo pra mim e usá-lo pra me sentir melhor, pra me sentir viva outra vez. Era gostoso respirar livremente, apreciar as cores daquela primavera e entender que a vida, embora muitas vezes complicada, pode ser simplificada com o passar do tempo. Tudo foi se concertando, ganhando seu espaço dentro de mim. Dar valor a mim mesma foi um dos grandes passos que eu dei pra superar aquela última estação, percebi que sem isso, nada valeria a pena. Foi ficando mais fácil.

Inverno


Tudo mudou tão de repente. A sinfonia que eu ouvia quando ele falava se transformou em uma banda de rock barulhenta. Nós não falávamos mais a mesma língua, nada fazia mais sentido. Aquelas cenas que protagonizamos na estação passada parecia uma montagem de um filme antigo, esquecido. O tempo acabou com aquela serenidade antes tão natural entre nós. Esse parecia o lar das esperanças desfeitas, assim como o outono passou, ele levou embora o que restou de um sentimento desgastado. O inverno chegou trazendo consigo uma avalanche de novos sentimentos. Nada era mais tão bonito, as folhas desapareceram em meio ao mar branco de neve que cobriu toda a memória de um amor que parecia intransponível. Um adeus, era só o que me parecia. Não havia mais sentido em continuar uma história que não teria seu felizes para sempre. Era tão óbvio, continuar seria uma grande erro e embora sofrêssemos, romper era a solução mais cabível àquela situação. Aquele seria o fim.

Outono


Parecia um sonho. Encontrar alguém assim, tão eu. Aqueles anos passados pareciam que não faziam mais sentido quando eu olhava a partir desse outono. Uma parte que faltava de mim se completara, ele preencheu todo o espaço de uma vida vazia, todos os pequenos pedaços de nós dois pareciam formar uma harmonia perfeita. Transformou minha vida em magia, fez brilhar sorrisos, palpitar corações, junto com as luzes daquela pequena cidade no interior que antes parecia tão monótona e agora era o melhor lugar do mundo. O barulho das folhas das árvores caindo era a melodia perfeita que se encaixava em meio a uma história tão linda que tinha começado numa estação tão desprovida de cor. Imaginávamos toda uma vida de amor, juntos. Imaginávamos também que nada poderia nos afetar, afinal, esse sentimento era inabalável. Todas as estações testemunhariam uma união feliz e mais cheia de amor que a vida inteira de muita gente. Seria infinito.